Elizabeth Brandt Feijó


 

AS FÁBRICAS (AURORA E VELHA)


Não te vi em lampiões,
folgo em saudar-te.
Apitos convidam a dama que
a lua beija e trabalha.
Corre-corre nas ruas mistura-se
à fumaça de tuas chaminés.
Os teus amados te saúdam
agradecem teu chamado, seu farnel
Hoje dormes.
O tesouro se esconde nos caminhos.
Aventais suados, torvelinhos.

Fonte: livro Converso com Versos.

Vínculos

O álbum, veleja.
Paisagens tocam em vós
em elos de ouro
as vossas cabeças.
Não permanecestes
incólumes à dor
tampouco pude vos dar
primaveras em todas as estações.
Negras nuvens vos colheram
derramaram incertezas
varando decisões.
Negligenciei senhores?
Que me basta
Eu diria que vós tivestes
sempre a mim.



Plenitude

Palavras tão poucas
sentido tão largo
olhar que afaga.
na intimidade do amor.


Elizabeth Brandt Feijó

Nenhum comentário:

Postar um comentário